sábado, 27 de agosto de 2016

Participação no II ARQAMAZONIA - Congresso Internacional de Arquitetura e Sustentabilidade na Amazônia

Ocorrerá no mês de setembro de 2016 o Congresso Internacional de Arquitetura e Sustentabilidade na Amazônia – II ARQAMAZONIA, no período de 14 a 16 de setembro, "tendo como objetivo geral refletir e propor modelos urbanos e arquitetônicos sustentáveis de apelo ecológico na Amazônia a partir de propostas teóricas e experiências de projeto". Com o tema CIDADE E NATUREZA, AMBIENTE DE TODOS, permitirá a discussão sobre uma das regiões mais importantes do planeta, a Amazônia Continental, destacando as suas cidades e suas produções do espaço, seus projetos arquitetônicos e urbanísticos, gestão e planejamento urbano territorial, além de discutir e propor tecnologias sustentáveis aplicáveis na região. Um evento que abre caminho para a preparação do 27° Congresso Mundial de Arquitetos, promovido pela União Internacional de Arquitetos e que será realizado no Brasil em 2020, no Rio de janeiro.




Serão três dias com uma ampla programação científica, reunindo arquitetos e urbanistas, geólogos, ecologistas, ambientalistas, engenheiros, estudantes e profissionais de áreas afins e interessados pelo tema. O ARQAMAZÔNIA debaterá as contribuições, bem como os melhores trabalhos apresentados pelos participantes para que o evento seja um verdadeiro fórum de produção de conhecimento e de um diálogo internacional. Buscará contribuir para o debate local, nacional e internacional, reforçando a prática de arquitetura e urbanismo para os novos desafios da sustentabilidade, um marco para o desenvolvimento com inclusão social e manejo adequado dos recursos naturais.




Um dos trabalhos a serem apresentados no evento trata do desenvolvimento regional de Palmas / TO: "Luzimangues - Uma nova cidade na periferia de Palmas / TO" - Arq. Lúcio M. Cavalcante Pinto.

domingo, 3 de abril de 2016

Aula inaugural LAAD / ITPAC-Porto

Esta semana estivemos presentes na aula inaugural da Liga Acadêmica de Arquitetura e Design (30/03/2016), organizada pelos acadêmicos do Curso de arquitetura e Urbanismo do ITPAC - Porto Nacional/TO.

Os temas tratados foram referentes à prática e atuação profissional, tentando demonstrar aos alunos um pouco da vivência e da atuação na arquitetura, trato com clientes, precificação de projetos, responsabilidades e curiosidades. Foram feitas duas pequenas palestras, “O perfil empreendedor do arquiteto e o atual quadro de atuação do profissional no mercado de trabalho”, com a Arquiteta e Urbanista Diléia Bezerra Cavalcante, e “Planejamento urbano”, com o Arquiteto e Urbanista Lúcio Cavalcante, e depois os alunos tiveram oportunidade de fazer questionamentos e tentar sanar dúvidas.

2932016373Untitled-1

6tag-3087749416-1218283417188501373_3087749416

6tag-3087749416-1218279263820908289_3087749416

6tag-3087749416-1218325540919116961_3087749416

6tag-3087749416-1218306406294554168_3087749416

6tag-3087749416-1218325069194134665_3087749416

Canais de contato:

Fecebook: Aldeia Arquitetura e Urbanismo

Instagram: Aldeia_Arquitetura_Ltda

Instagram: Diléia Bezerra

domingo, 27 de março de 2016

PLHIS de Araguaína/TO, seminário para discussão do diagnóstico

No dia 22 de março de 2016, ocorreu o “2º Seminário do Plano Local de Habitação de Interesse Social de Araguaína – Diagnóstico Habitacional”. O evento foi realizado no Auditório Prof. Jauro Studart Gurgel, na sede da Prefeitura de Araguaína.

O Plano Local de Habitação de Interesse Social – PLHIS tem como objetivo conhecer a problemática habitacional e elaborar estratégias viáveis para o combate ao déficit habitacional e à demanda futura por novas habitações. O PLHIS deverá conter diagnóstico do setor habitacional, diretrizes, objetivos, linhas programáticas, fontes de recursos, metas e indicadores, que expressem o entendimento do governo local e dos agentes sociais, a respeito do planejamento local do setor habitacional. Deverá, ainda, definir um Plano de Ação para enfrentar seus principais problemas, especialmente no que se refere à habitação de interesse social, com o objetivo de promover o acesso à moradia digna.

O documento do diagnóstico foi apresentado aos participantes dividido em três partes:

  • Parte 01: Contexto Geral, Ass. Social Poliana Lopes;
  • Parte 02: Marcos normativos da politica urbana e habitacional, Adv. Odilon Klein;
  • Parte 03: Precariedades e necessidades habitacionais, Arq. Urb. Lúcio M. Cavalcante Pinto e Arq. Urb. Eli Ramos.

A participação foi efetiva, apesar de pequena, diversos representantes de bairros e técnicos da prefeitura de Araguaína estavam presentes e contribuíram com a discussão e validação dos dados.

WP_20160322_08_22_10_Pro_LI

WP_20160322_08_22_30_Pro_LI

WP_20160322_09_12_42_Pro_LI

WP_20160322_09_26_35_Pro_LI

Sobre o Déficit Habitacional de Araguaína

Para o dimensionamento do déficit habitacional, foram consideradas as informações contidas na publicação Déficit Habitacional do Brasil, 2013, calculado pela Fundação João Pinheiro com base no Censo Demográfico do IBGE 2010, para Araguaína. Os dados considerados são os mais completos com relação ao universo analisado, sendo a metodologia da Fundação João Pinheiro especifica para o dimensionamento do déficit, sendo utilizada na elaboração do PlanHab e nas avaliações do Ministério das Cidades.

“Tomando como referência a base de informações do IBGE (Censos e PNADs), o déficit habitacional, englobando as situações que demandam uma política de provisão habitacional, consiste no cômputo do déficit por reposição do estoque, relativo aos domicílios rústicos, e do déficit por incremento do estoque, contemplando os domicílios improvisados e a coabitação familiar, correspondente a soma das famílias conviventes e das que vivem em cômodos cedidos ou alugados. Os quatro componentes do déficit habitacional, relativos aos domicílios rústicos, improvisados, famílias conviventes e cômodos cedidos ou alugados, são calculados de maneira a se excluírem possíveis sobreposições entre eles, procedendo-se assim, ao cálculo do montante geral através do somatório dos respectivos componentes.” (Ministério das Cidades, 2009)

De acordo com os dados analisados o déficit habitacional ou quantitativo para o ano de 2010 era de 8.097 unidades habitacionais, sendo 7.705 o déficit habitacional urbano e 392 o déficit habitacional rural. Para a atualização deste número foi considerado o índice de crescimento populacional entre 2010 e 2015, quando a população de Araguaína passou de 113.143 habitantes para 170.183 habitantes, crescendo no período 13,09%, próximo de 2,60% ao ano, chega-se ao déficit aproximado de 9.157 unidades habitacionais para 2015, sendo 8.714 o déficit habitacional urbano e 443 o déficit habitacional rural.

A Prefeitura de Araguaína disponibilizará no seu site o documento completo com o diagnóstico habitacional.

Mais noticias sobre o “2º Seminário do Plano Local de Habitação de Interesse Social de Araguaína – Diagnóstico Habitacional”:

Prefeitura promove seminário para discutir políticas públicas habitacionais

Políticas públicas habitacionais é tema de Seminário em Araguaína

sexta-feira, 25 de março de 2016

Audiência para lançamento do Plano Diretor de Guaraí/TO

A prefeitura de Guaraí promoveu a “1ª Audiência Pública do Plano Diretor de Guaraí”, no dia 10 de março de 2016, no Auditório do Fórum Pedro Silva Barros. A pauta desta primeira audiência era o lançamento do processo de discussão do Plano Diretor de Guaraí e a Eleição do Grupo Gestor – que ficará responsável pelas definições dos trabalhos que serão realizados.

O Plano Diretor é o instrumento básico da política de desenvolvimento urbano, sendo o município o ente responsável pela sua formulação e implementação. Tem seu embasamento legal na Constituição de 1988, artigos 182 e 183, o capítulo da Política Urbana, e na sua regulação posterior por meio da Lei Federal nº 10.257/2001, o Estatuto da Cidade.

O Plano Diretor Participativo tem como finalidade o maior envolvimento e controle da sociedade, havendo mais possibilidades da sua efetividade já que trata de uma pactuação de todos os setores e interesses envolvidos.

Para garantia do processo participativo é preciso entendimento do pleno exercício da cidadania dando voz aos vários segmentos da sociedade (nos debates setoriais, audiências públicas, etc.), a publicidade (informações sobre as atividades) e o acesso de qualquer interessado aos documentos produzidos – as informações serão divulgadas na página da Prefeitura de Guaraí: http://guarai.to.gov.br/portal/

WP_20160310_09_33_08_Pro

WP_20160310_09_33_13_Pro

Pela manhã houve uma discussão com a população e técnicos da prefeitura sobre aspectos gerais do Plano Diretor, foram realizadas duas palestras: “O Plano Diretor e a importância do planejamento da cidade”, com o Arq. e Urb. Lúcio M. Cavalcante Pinto, e “A metodologia para discussão e formulação do Plano Diretor”, com o Adv. Odilon Klein. Ocorreu também na parte da manhã a escolha dos componentes do Grupo Gestor do Plano Diretor de Guaraí, envolvendo mais ainda diversas representações da comunidade e atendendo os requisitos legais para sua elaboração.

WP_20160310_15_03_44_Pro

WP_20160310_15_04_33_Pro

WP_20160310_15_05_04_Pro

Na parte da tarde ocorreu a primeira reunião do Grupo Gestor com a discussão do Plano de Trabalho, acordando a metodologia a ser adotadas e as datas das próximas atividades.

O Grupo Gestor e a Equipe Técnica do Plano Diretor de Guaraí ficou assim definido:

GRUPO GESTOR:

REPRESENTANTES SOCIEDADE ORGANIZADA

1 - ROSA CARDOSO – PRES. SETOR AEROPORTO

2 - ADAILTON ARRUDA – PRES. SETOR NOVA QUERÊNCIA (SETOR BUENO)

3 - PASTOR EBINEZER DIAS DOS SANTOS (PRES. COMEG)

4 - PADRE NILSON ALVES (PÁROCO PARÓQUIA SÃO PEDRO)

5 - FERNANDO FIEL (REP. OAB)

6 - SILVANA CEZARETTI TEIXEIRA DE OLIVEIRA (PRES. ACIAG)

7 - RAIMUNDO RODRIGUES ARAÚJO FILHO (REP. 7º BATALHÃO POLÍCIA MILITAR)

8 - FÁTIMA COELHO (VEREADORA MUNICIPAL)

REPRESENTANTES GOVERNAMENTAIS

1 - JOAQUIM DAMASCENO (SEC. INDÚSTRIA E COMÉRCIO)

2 - PASTOR PAULO (SEC. AÇÃO SOCIAL)

3 - ANTÔNIO OLIVEIRA DOS SANTOS (SEC. SAÚDE)

4 - WANTHONNY BOSSO (SEC. AGRICULTURA E MEIO AMBIENTE)

5 - ALESSANDRO JOSÉ DA SILVA (SEC. AGRICULTURA E MEIO AMBIENTE)

6 - TAUAN TEIXEIRA OLIVEIRA (SEC. JUVENTUDE E ESPORTE)

7 - CRISALBA GUIMARÃES (SEC. EDUCAÇÃO)

8 - ODEGLEISON TAVARES DOS REIS (SEC. INFRAESTRUTURA E HABITAÇÃO)

EQUIPE TÉCNICA:

- ENALDO CARVALHO LUCENA – SEC. EXECUTIVO (COORDENADOR)

- FRANCISCO JORISMAR BEZERRA – DIR. URBANISMO

- THAISY JOKASTHA MOURA – DIR. HABITAÇÃO

- ANTÔNIO LUIZ BORGES – PRES. SETOR PESTANA

- NILO ANACLETO JULIÃO – PRES. SETOR NOVO HORIZONTE

- ADEMAR CLEITON – PRES. SETOR CRISTO REDENTOR (ASSOC. DE CABOS E SOLDADOS)

A Assessoria Técnica é realizada pela empresa Aldeia Arquitetura e Urbanismo.

segunda-feira, 18 de maio de 2015

Interdisciplinaridade aplicada a projetos complexos

o que fazemos

Um diferencial do nosso escritório é a interdisciplinaridade aplicada a projetos complexos. Quando atuamos em projetos de planejamento urbano ou regional formamos equipes com diversos perfis profissionais – Arquitetos, Engenheiros, Engenheiros Ambientas, Assistentes Sociais, Advogados, etc. Esta estratégia permite abarcar diversos pontos de vistas de uma mesma questão, além de atender as exigências dos nossos contratantes. Em projetos de arquitetura e urbanismo trabalhamos com diferentes escalas, desde o atendimento individual para quem quer construir, reformar ou decorar sua casa até empresas e governos que trabalham com projetos de edificações, equipamentos urbanos, habitação de interesse social e loteamentos.

Gerenciamos os contratos permitindo mais clareza no seu andamento, além de mais envolvimento com os órgãos financiadores e fiscalizadores, permite também um maior conhecimento dos procedimentos e normativos aplicados, diminuindo inconformidades e pendências. As equipes formadas têm formação e experiência para trabalhar com os requisitos atuais da política de desenvolvimento urbano e de habitação de interesse social, audiências públicas, revisão de legislação urbanística, planos diretores, planos setoriais, regularização fundiária, entre outros.

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Republicação: Cartilha do PRF da ZEIS Santo Antônio

Olha só! A experiência da Regularização Fundiária da ZEIS Santo Antônio em Colinas do Tocantins foi demonstrada e discutida no I ERHAD em Palmas. O evento foi na UFT nos dias 10, 11 e 12 de dezembro, e quem fez a apresentação do trabalho foi o Adv. Odilon Klein, representando a equipe técnica de assessoria.

WP_20141210_17_24_24_Pro

Abaixo segue a republicação da Cartilha da Regularização Fundiária, material didático utilizado para a capacitação dos moradores:

01_capa

02

03

04

05

06

07

08

09

10

11

12

13

14

15

16_fim

sábado, 8 de novembro de 2014

ZEIS Santo Antônio, Colinas do Tocantins

A prefeitura municipal vem executando ações de melhoria do Bairro Santo Antônio através do PAC2 do Governo Federal. Essas ações envolvem a urbanização e a regularização fundiária. Estão sendo investidos recursos em infraestrutura e construção de casas, praças, quadra coberta e asfalto, e garantindo que todos tenham a segurança de posse dos terrenos onde moram. São benefícios diretos para a população, principalmente de baixa renda. O município ganha melhorando a infraestrutura da cidade, e os moradores ganham por poderem utilizar destes benefícios aumentando sua qualidade de vida.

st.antonio